Estrutura

PRESIDENTE: 

Douglas Galvão Vilardo

MEMBROS:

Damaris Gonçalves Josepetti

Edson Paliari

Hermes Salgueiro da Silva

Marcia Fatima da Silva Giacomelli

Renata Dias de Souza Gomes

Wenderson Pino Perez

Wilson Antônio Braz

 

O Conselho de Administração é um órgão de normatização e deliberação superior, composto por 8 membros, sendo  4 membros indicados pelo Prefeito (dentre estes 1 presidente) e 4 membros eleitos pelos servidores ativos e inativos.

Todos os representantes devem ter, no mínimo, 10 anos de efetivo exercício no serviço público e formação em ensino superior no curso de Administração, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Direito, Economia ou Tecnólogo em Curso Superior de Gestão Pública.

 

Compete ao Conselho Administração:

- Aprovar:

1- O Regulamento de Benefícios;

2- O Regimento Interno, que deverá contemplar o funcionamento dos Conselhos;

3- O Regulamento da Política de Aplicações e Investimentos;

4- O Orçamento Anual da MARINGÁ PREVIDÊNCIA;

5- O Plano de Contas;

6- Os Balancetes Bimestrais, bem como o Balanço e as Contas Anuais da MARINGÁ PREVIDÊNCIA; e

7- O Relatório Anual da Diretoria e o Parecer Atuarial de cada exercício, do qual constará, obrigatoriamente, análise conclusiva sobre a capacidade dos Planos de Custeio para dar cobertura ao Plano de Benefícios Previdenciários;

 

 - Autorizar:

1- A aceitação de bens oferecidos pelo Município, a título de dotação patrimonial; e

2- A aquisição, alienação ou oneração de bens imóveis, bem como a aceitação de doações com encargo;

3- Pronunciar-se sobre qualquer outro assunto de interesse da MARINGÁ PREVIDÊNCIA e que lhe seja submetido pelo Secretário Municipal da Administração, pela Diretoria Executiva, pelo Conselho Fiscal ou por qualquer de seus membros;

4- Julgar os recursos interpostos pelos segurados contra decisões do Diretor Presidente; (Redação dada pela Lei Complementar nº 1279/2021);

5- Praticar os demais atos atribuídos por esta Lei como de sua competência.

PRESIDENTE:

Denis Roberto Biasotto

MEMBROS:

Edson Testi Barandas

Jefferson Rodrigo Alves

João Ismael Altoé

 

O Conselho Fiscal é composto por 4 membros, sendo 2 membros indicados pelo Prefeito(entre eles o Presidente) e 2 membros eleitos pelos servidores ativos e inativos.

Todos os representantes devem ter, no mínimo, 10 anos de efetivo exercício no serviço público e formação em ensino superior no curso de Administração, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Direito, Economia ou Tecnólogo em Curso Superior de Gestão Pública.

 

Compete ao Conselho Fiscal:

I - emitir parecer prévio, antes de seu encaminhamento ao Conselho de Administração, sobre:

a) os Balancetes Bimestrais;

b) o Balanço e as Contas Anuais da MARINGÁ PREVIDÊNCIA;

c) os demais documentos contábeis e financeiros exigidos pela legislação nacional aplicável à Previdência Funcional;

d) o Regulamento das Políticas de Aplicações e Investimentos;

e) o Orçamento Anual;

f) o Plano de Contas;

g) o Parecer Atuarial do exercício;

h) as proposições de bens oferecidos pelo Município, a título de dotação patrimonial;

i) as proposições de aquisição, alienação ou oneração de bens imóveis, bem como a aceitação de doações com encargo;

II - deliberar sobre matérias previstas como de sua competência em Lei, no Regulamento de Benefícios e no Regimento interno da MARINGÁ PREVIDÊNCIA;

III - pronunciar-se sobre qualquer outro assunto de interesse da MARINGÁ PREVIDÊNCIA e que lhe seja submetido pelo Secretário Municipal de Gestão, pela Diretoria Executiva, pelo Conselho Fiscal ou por qualquer de seus membros; (Redação dada pela Lei Complementar nº 1041/2015)

IV - comunicar ao Conselho de Administração os fatos relevantes que apurar no exercício de suas atribuições.

Plano de Trabalho Conselho Fiscal 2022

MEMBROS :

ADEMIR APARECIDO ANTONELLI

BARBARA DA SILVA GARCIA

ELISANGELA DA SILVA CANDIL

JOSE DA SILVA NEVES

LEANDRO DOS SANTOS DOMINGOS

 

O Comitê é uma instância colegiada de caráter consultivo e propositivo, voltada para a discussão dos aspectos relativos ao planejamento, execução, monitoramento e avaliação de estratégias na gestão dos recursos da Maringá Previdência. 

Todos os membros deverão estar aprovados em exame de certificação organizado por entidade autônoma e reconhecida capacidade técnica e difusão no mercado brasileiro de capitais, conforme artigo 2º da Portaria 519, de 24/08/2011 e suas alterações.

Compete ao Comitê de Investimentos:

1 - Analisar os resultados das aplicações financeiras em relação às metas e demais critérios contidos na política de investimentos;

2 - Acompanhar a evolução patrimonial e a sua diversificação;

3 - Analisar e emitir parecer sobre os critérios de escolha das instituições financeiras onde a MARINGÁ PREVIDÊNCIA poderá efetuar os seus investimentos, tendo como referência as proposições apresentadas;

4 - Analisar e emitir parecer sobre os mercados, setores e empresas onde a MARINGÁ PREVIDÊNCIA poderá efetuar as suas aplicações, observando as proposições apresentadas;

5 - Analisar e emitir parecer sobre outras oportunidades de investimentos, observando as proposições apresentadas;

6 - Avaliar os resultados das estratégias de investimento adotadas para assegurar conformidade com as diretrizes de investimento e para determinar o seu grau de sucesso;

 7 - Propor critérios para as operações com participantes, no tocante a taxa a serem adotados, prazos limites de amortização e outras margens;

8 - Propor, anualmente, a política de investimentos, bem como eventuais revisões, para posterior aprovação pelo Conselho Administrativo;

9 - Acompanhar o desempenho obtido pelos investimentos, em consonância com a política de investimentos, bem como com os limites de investimentos e diversificações estabelecidos;

11 - Alocar taticamente os investimentos, em consonância com a política de investimentos, o cenário macroeconômico, e as características e peculiaridades do passivo, desde que aprovado pelo Conselho Administrativo;

12 - Selecionar opções de investimentos, verificando as oportunidades de ingressos e retiradas em investimentos e encaminhar ao Conselho Administrativo para análise e deliberação final;

13 - Zelar por uma gestão de ativos em consonância com a legislação em vigor e as restrições e diretrizes contidas na política de investimentos e que atendam aos mais elevados padrões técnicos, éticos e de prudência.